Páginas

Lançamento - Falsa acusação: Uma história verdadeira

5 de dezembro de 2018



Um livro eletrizante, importante e perturbador, Falsa acusação é baseado numa história real e num artigo vencedor do Prêmio Pulitzer de jornalismo investigativo, que foi publicado no site de uma ONG na internet e viralizou em questão de horas. Como num episódio de Law & Order, os jornalistas T. Christian Miller e Ken Armstrong acompanham o trabalho incansável e a dedicação de duas detetives para colocar um estuprador em série na cadeia e dar voz às suas vítimas – fazendo também uma análise da maneira ultrajante como as mulheres são tratadas quando denunciam casos de violência sexual. Narrado em ritmo de thriller, Falsa acusação está sendo adaptado pela Netflix na série Unbelievable, prevista para estrear em 2019.

Essa é uma história da qual já ouvimos falar inúmeras vezes: uma mulher, vítima de estupro, vai à polícia fazer uma denúncia e acaba sendo interrogada com desconfiança pelos policiais – com que roupa você estava?, o que estava fazendo na rua a essa hora?, por que abriu a porta?, qual a quantidade de bebidas alcoólicas e substâncias entorpecentes que você tinha ingerido?, por que você está querendo chamar atenção? A única pergunta que falta nessa lista é: até quando isso vai acontecer?
Em 11 de agosto de 2008, Marie, de 18 anos, foi à polícia denunciar que um homem mascarado entrou em seu o apartamento e a estuprou. Depois de alguns dias, a polícia, e até mesmo algumas pessoas próximas, começaram a desconfiar da história. Os policiais rapidamente mudaram o rumo da investigação e passaram a interrogar a adolescente, que passou de vítima a suspeita. Confrontada com as inconsistências do seu relato e as dúvidas de todos, ela voltou atrás e disse que tinha mentido, que tudo não tinha passado de uma tentativa de chamar atenção. A polícia a acusou de ter feito uma denúncia falsa – e Marie foi taxada de mentirosa e execrada por todos.
Mais de dois anos depois, Stacy Galbraith, detetive de Golden, no Colorado, é designada para investigar um caso de estupro. Ela se junta a Edna Hendershot, detetive responsável por outro caso semelhante, e logo descobrem que estão às voltas com um estuprador em série. As duas detetives se dedicam a uma intensa investigação e acabam relacionando esse criminoso a inúmeros outros casos de violência sexual ainda não solucionados nos Estados Unidos.
Baseado nos arquivos da investigação policial e nas entrevistas com todos os envolvidos, Falsa acusação apresenta uma história cheia de reviravoltas, dúvidas, estigmas, mentiras e, acima de tudo, um profundo desejo de justiça. Além disso, lança no ar o grito de desespero das vítimas de violência de sexual que costumam encontrar mais desconfiança, olhares e palavras de acusação do que dedicação profissional e empatia.
Para Joanne Archambault, CEO da End Violence Against Women International, organização que combate a violência contra mulheres, T. Christian Miller e Ken Armstrong “mostram como a questão de gênero e os vários mitos sobre a violência sexual ainda influenciam – e muito – a maneira como as autoridades responsáveis investigam esses crimes, prejudicando ainda mais as vítimas e permitindo que os criminosos continuem em liberdade e possam cometer mais crimes. Esse livro brilhante é também o relato de uma investigação que só dá certo por causa de duas detetives que acreditam nas vítimas e não desistem de fazer justiça. Bem fundamentado e emocionante, Falsa acusação é uma leitura essencial.”

Sobre o autor

T. Christian Miller e Ken Armstrong

Christian Miller é repórter do ProPublica, uma organização sem fins lucrativos sediada em Nova York, que faz jornalismo investigativo independente e de interesse público. Ele já trabalhou para o Los Angeles Times e atualmente leciona jornalismo investigativo na Universidade da Califórnia, em Berkeley. Ken Armstrong também é repórter do ProPublica. Trabalhou no Projeto Marshall, uma empresa jornalística online e sem fins lucrativos especializada em justiça criminal nos Estados Unidos, e na Chicago Tribune, onde contribuiu para a suspensão das execuções por pena de morte. Ambos ganharam inúmeros prêmios, incluindo o Pulitzer, em 2016, pela reportagem “A inacreditável história de um estupro”, publicado tanto no ProPublica quanto no Projeto Marshall, e que deu origem a este livro.

3 comentários

  1. Sou viciada em roteiros baseados em histórias reais, seja no cinema como na literatura!E como não conhecia este livro acima, já adorei de cara pelo título e capa! Aí quando lemos e vemos que há fatos reais, o coração até dispara!!!
    Vou aguardar mais informações!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi Yohanna, tudo bem? Que resenha fabulosa, adorei! Não costumo ler thrillers, porque fico muito impactada, mas realmente me interessei pela parte policial/investigativa da história. Há algum tempo esse foi o meu gênero favorito, mas não leio livros assim há anos, por isso vou deixar anotada a dica, seria um ótimo retorno a leituras investigativas.
    Beijos, Adri
    Espiral de Livros

    ResponderExcluir
  3. Yohanna!
    Gosto muito de livros que trazem temáticas polêmicass e onde podemos discutir sobre a realidade atual em cima da ficção e acredito que esse livro que fala sobre estupro e as suspeitas em cima da vítima, parece bem interessante e cumpre esse papel.
    “Bendita seja a data que une a todo mundo numa conspiração de amor.” (Hamilton Wright Mabi)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DEZEMBRO - 7 GANHADORES – BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir