Perdão Mortal - O Clã das Freiras Assassinas # 1 - Robin LaFevers

13 de julho de 2018

Título: Perdão Mortal - O Clã das Freiras Assassinas # 1
Autor: Robin LaFevers
Páginas: 408
Ano: 2015
Editora: V&R Editoras Brasil
Gênero: Fantasia
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon
Nota: 
Sinopse: Perdão Mortal - Por que ser uma ovelha, quando você pode ser o lobo? Ismae Rienne, dezessete anos, escapa da brutalidade de um casamento arranjado no santuário do convento de São Mortain, onde as irmãs ainda servem deuses antigos. Lá ela aprende que o deus da Morte abençoou-a com perigosos dons e um violento destino. Se ela optar por ficar no convento, será treinada como uma assassina e servirá a Morte. Para reclamar sua nova vida, deve destruir a vida de outros. A mais importante atribuição de Ismae leva-a direto para o tribunal superior da Bretanha—onde se encontra terrivelmente sob preparada não só para os jogos mortais de intriga e traição, mas pelas impossíveis escolhas que deve fazer. Como entregar a vingança da Morte em cima de um alvo que, contra sua vontade, roubou seu coração?


Resenha:

"Eu tinha uma grande mancha vermelha que ia do ombro esquerdo até o quadril direito, uma trilha deixada pelo veneno qu a minha mãe usou para tentar me expelir do seu útero. Segundo a curandeira, não foi milagre eu ter sobrevivido, mas um sinal que eu tinha sido gerada pelo próprio Deus da Morte."

Esse foi um livro que comprei pela capa, logo que lançou, é uma trilogia e eu preciso muito ler os outros dois! Quando comecei a ler, foi que me dei conta de que era medieval e eu passo longe do que quer que seja relacionado a religião para leitura, seja o tipo que for. Nada contra, é só que eu gosto das fantasias mesmo. Então eu compro um livro de uma série baseada em um convento! Tá né...

Pois eis que, para minha surpresa, mais uma vez eu vi que o pré julgamento arraigado em meu ser estava errado! Já falei que tenho que parar de formar pré conceitos....

Mas bom...O livro é o primeiro da trilogia O Clã das Freiras Assassinas, que traz Ismae no papel principal. A narrativa começa com a menina sendo levada à um casamento forçado, com um homem insuportável. Foi um casamento arranjado por um pai que a odeia. Sua mãe morreu com um sentimento de culpa enorme, motivo: quando grávida tomou veneno para abortar a filha. O que, obviamente, não deu certo, mas causou uma enorme cicatriz nas costas da menina, o que a fez crescer traumatizada e marginalizada.

Pois ao "enfrentar" a noite de núpcias, seu pretenso marido vê a  cicatriz e a rejeita, a tranca num porão e então...a história começa!!!

Ismae é levada ao Convento, lá descobre que seu pai não é seu pai, que ela é filha da Morte. Que é o "deus" venerado no Convento, Mortain.

"Não é do santo que desconfio, demoiselle, só dos humanos que interpretam Seus desejos."

Então, ela aceita quem é e dá início ao seu treinamento de Assassina. E aí, analisando e não muito profundamente a obra, me deparo com uma pergunta: De onde raios saíram as freiras? Sério gente, elas treinam as noviças para matar, sempre por ordem de Mortain ou pelas visões de uma das freiras. Onde é concebível existirem freiras treinadas nas mais diversas artes de matar, lutar e seduzir???!!!! Na cabeça desses autores maravilhosos, com certeza! Provavelmente é por isso que todos pensam que o tal Convento é um mito e as noviças não existam...

Mas elas existem e enfim Ismae termina o treinamento e é mandada para sua primeira missão, que executa perfeitamente!

"Ele me deu vida, e tudo o que eu precisava  fazer para servi-Lo era viver."

Então ela é enviada para uma segunda missão, e essa a leva diretamente para uma trama que pretende acabar com a duquesa da Bretanha. Lá ela conhece as tramoias, as mentiras, as manobras políticas e tudo o que envolve uma coroa e os que a rodeiam. Ou almejam! Então, no meio disso tudo, eis que surge o mocinho para salvá-la certo???? Claro que não! Onde haveria lugar para um homem na vida de uma menina que cresceu sendo humilhada por um, foi vendida para outro e aprendeu a odiar todos os outros como parte dos ensinamentos do Convento? Ah Graviel.....um dia ela supera a aversão....

"Nós dois estamos presos a outros deveres, outros santos. Nosso coração não é nosso."

Ela foi enviada para o palácio com Duval, que se passa por seu primo, eles criam uma antipatia mútua logo de cara. Ele por não querer levá-la e ela por não querer aquele "bruto" como acompanhante. mas como os desígnios de Mortain são inquestionáveis ela aceita essa missão, aí falar sem dar spoiler fica difícil....

Bom, ela vê que nem todas as ordens são inquestionáveis, aprende que pode sim confiar nos homens, está bem, em alguns, descobre que a vida não é feita só de inimigos, aprende a nutrir carinho e amizade, e claro, aprende que existe amor, mesmo para uma serva da morte!

"- Quando você estiver pronta, ou mesmo se nunca estiver, meu coração pertencerá a você até que a morte nos separe. O que quer que isso signifique quando você está se comprometendo com uma das servas da Morte." 

Em uma epifania guiada por seu próprio pai ela enfim, descobre e entende qual o seu papel no mundo que vive e qual o papel do Convento e das noviças. Ela salva a vida do seu amado e a Coroa.

"Pois, embora eu fosse a filha da Morte e caminhasse em suas sombras escuras, às vezes as trevas podiam ceder espaço para a luz."

Uma coisa que eu gostei muito foi que, apesar de ser uma série o livro tem começo, meio e fim, a história não ficou solta, com uma continuação que nos deixa ansiosos pelo próximo, ele termina e termina de forma coerente com o todo! E ainda assim, nos deixa sim ansiosos pela continuação! O livro não tem um ritmo parado, é bem dinâmico, gostoso de ler! Dá pra perceber que são três histórias independentes nos livros e eu gostei bastante disso!

Recomendo a leitura, que é cheia de ação, romance e claro, uma mocinha determinada e que não baixa a cabeça para ninguém!

10 comentários

  1. Também não sou muito de misturar religião e leitura não.rs Sei lá, a gente sempre dá de cara com algo que não vai nos agradar.
    Mas em contrapartida, amo uma boa fantasia e já havia lido algumas coisas a respeito desta trilogia das freiras assassinas.
    De onde vieram? O que comem? Como se vestem? Sexta, no Globo Repórter!rs acho que é mais ou menos isso.rsrs
    Mas o livro tem um enredo bom, principalmente esta viagem em busca de respostas que a protagonista provavelmente fará!
    Se tiver oportunidade, lerei!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. adorei o post!!
    beijinhos

    |último post|
    https://eyeelement.blogspot.com/2018/07/planos-para-o-verao.html

    ResponderExcluir
  3. Olá Denise!
    É bom qdo o livro tem um rumo bacana, começo, meio e fim, livros que trazem esses conteúdos e bom enredo já me prendem do começo ao fim, eu não tinha lido nd sobre esse livro ainda, gostei mto, qro conhecer com toda ctz.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Olá! Confesso que não conhecia essa trilogia, mas já gostei bastante, afinal amo fantasia e essa história parece bem diferente de tudo que já li até agora, freiras assassinas que o digam (risos). Ainda bem que o livro tem começo, meio e fim, não gosto quando o desfecho da história me deixa frustrada e ansiosa pela continuação.

    ResponderExcluir
  5. Denise!
    Bom ver que os livros poderão ser lidos de forma independente.
    Bem interessante a parte da política como fundo, mas também bem presente me deixou bem interessada. Achei curioso porque além de tudo ainda tem a questão preconceito pela marca que ela carrega e isso foi colocado de uma maneira muito boa.
    Bom final de semana!
    “A consciência é o melhor livro de moral e o que menos se consulta.” (Blaise Pascal)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA JULHO - 5 GANHADORES - BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  6. Eu tenho a intenção de ler esse livro com certeza, inclusive depois daqui eu já to indo atras de colocar ele no carrinho porque esse livro será adquirido na Black com certeza. Acho que em relação as freias elas serão explicadas posteriormente nos outros livros, bem eu pelo menos espero porque criar um mundo e não explicar a sura origem é um erro grave em fantasia. Eu quero muito conhecer essa heroína, por mais que ela pelo visto não vai ter muitos atos heroicos no começo kkk Obrigada pela resenha e espero que o segunda seja bom também.

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Tipo, fiquei sem o que comentar sobre a resenha..kkk A trama realmente e muito boa, tem uma ação nela que você fica curiosa a cada pagina.. Quem nunca compra um livro pela capa né, eu também faço isso..hahahaha
    Já anotei na listinha de comprinhas..

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  8. Eu fiquei interessada na trama já pelo nome da série, que super me atraiu.
    Estou louca para ver Ismae sendo treinada e executando suas missões haha
    Gosto quando a mocinha sabe se impor, faz o livro não ser cansativo.

    beijinhos
    She is a Bookaholic

    ResponderExcluir
  9. Oi Denise.
    Esta trilogia está na minha lista de desejados faz um tempo. Preciso muito comprá-la ou consegui-la por troca.
    Também não gosto muito de histórias que tenham religião no contexto, mas essa trilogia não parece focar nisso.
    Gostei bastante de saber que as histórias são independentes e que cada livro possui um começo, meio e fim. Achei que era uma continuação.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oi Denise,
    Olha, que imaginação essa autora teve kkk não consigo visualizar freiras fazendo esse tipo de treinamento, parece muito incomum!! Mas sim, a trama é muito boa, um enredo bem montado, e melhor, mostra bastante sobre a força feminina, já que mesmo tendo romance, a mocinha se destaca bastante!
    Fiquei curiosa... Espero resenha dos próximos já, rs.
    Beijo

    ResponderExcluir