Um Perfeito Cavalheiro - Os Bridgertons, 3 - Julia Quinn

22 de junho de 2018

Título: Um Perfeito Cavalheiro - Os Bridgertons, 3
Autor: Julia Quinn
Páginas: 3014
Ano: 2014
Editora: Arqueiro
Gênero: Romance de Época
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon
Nota:  
Sinopse: Sophie sempre quis ir a um evento da sociedade londrina. Mas esse é um sonho impossível. Apesar de ser filha de um conde, é fruto de uma relação ilegítima e foi relegada ao papel de criada pela madrasta assim que o pai morreu. Uma noite, ela consegue entrar às escondidas no baile de máscaras de Lady Bridgerton. Lá, conhece o charmoso Benedict, filho da anfitriã, e se sente parte da realeza. No mesmo instante, uma faísca se acende entre eles. Infelizmente, o encantamento tem hora para acabar. À meia-noite, Sophie tem que sair correndo da festa e não revela sua identidade a Benedict. No dia seguinte, enquanto ele procura sua dama misteriosa por toda a cidade, Sophie é expulsa de casa pela madrasta e precisa deixar Londres. O destino faz com que os dois só se reencontrem três anos depois, Benedict a salva das garras de um bêbado violento, mas, para decepção de Sophie, não a reconhece nos trajes de criada. No entanto, logo se apaixona por ela de novo. Como é inaceitável que um homem de sua posição se case com uma serviçal, ele lhe propõe que seja sua amante, o que para Sophie é inconcebível. Agora os dois precisarão lutar contra o que sentem um pelo outro ou reconsiderar as próprias crenças para terem a chance de viver um amor de conto de fadas. Nesta deliciosa releitura de Cinderela, Julia Quinn comprova mais uma vez seu talento como escritora romântica. 

Resenha: Esse é o terceiro livro da série Os Bridgertons e, olha, cada um que eu leio eu gosto mais do que o anterior. estou apaixonada por romance de época!

Uma coisa que eu acho legal dessa série é que se você não ler na ordem, ainda assim entende perfeitamente a história que o livro traz! Isso é ótimo!!! Não que eu consiga fazer isso, se eu sei que é uma série eu simplesmente preciso ler na ordem certa, é impossível pra mim não fazer isso...

Em Um Perfeito Cavalheiro Sophie é a filha bastarda de um nobre, que casou com uma mulher, que tem duas filhas. E que assim que descobre a filha do marido, de cara e sem motivo, a odeia e faz com que suas filhas a odeiem também. Lembra alguma história que você conhece? Vai pensando aí...hehe...Anos depois, o homem morre, deixando a filha aos cuidados da madrasta. Certa noite, a matriarca da família Bridgertons promove um baile de máscaras e Sophie vai, escondida da madrasta e irreconhecível e lá conhece Benedict, filho da anfitriã. Só que, a meia noite ela deve abandonar o baile, deixando o seu Cavalheiro apenas com uma de suas luvas....então, lembrou? Pois é, essa é uma história bem ao estilo Cinderela!!!

"-Acho que vou beijá-la - murmurou ele.
- Acha?
- Acho que preciso beijá-la -acrescentou Benedict, parecendo não acreditar direito nas próprias palavras.- É como respirar. Não há muita escolha."

Sim...Cinderela mesmo...Com todo o sofrimento da menina. Trabalhando e servindo a madrasta e as "irmãs", achando o que o pai a esqueceu no testamento, cresceu pensando que só as irmãs eram merecedoras de dote e do amor do pai, ou ao menos uma consideraçãozinha...que só elas poderia frequentar os bailes e de ser tratadas como ser humano, já que ela, ao perder o pai perdeu também o direito à educação que até então ele lhe fornecera, às roupas que ele lhe dava e a vida, já que agora sua vida pertence à madrasta.

"- Meu marido - prosseguiu a mulher - sente uma espécie de dever equivocado com relação a você. É admirável da parte dele assumir os próprios erros, mas para mim é um insulto tê-la em minha casa, alimentada, vestida e educada como se fosse sua filha de verdade."

Benedict por sua vez, como todos os outros irmãos Bridgertons, não quer casar, então conhece uma misteriosa e bela mulher no baile, que a certa altura, sai correndo, deixando pra trás uma luva e muitas lembranças, mas não o rosto, já que ela estava mascarada, como todos no baile.

No dia seguinte, Benedict inicia uma procura pela sua amada mascarada do baile, só que não há rastros e ele, depois de meses, desiste.

Bem agora, Sophie é expulsa de casa, sua madrasta a denuncia como ladra e ela tem que fugir para outra cidade! Sonhando com seu príncipe que sabe, jamais poderá ser seu! Até que, numa armadilha do destino, eles se encontram e ele não a reconhece. Tem início aí uma linda, engraçada e irritante trajetória de amor, amizade, companheirismo, descobertas e mentiras! Ela é uma criada! Jamais um Bridgertons poderá casar com uma criada! Ainda que a família não tenha tais preconceitos, a sociedade tem.

Tenho pouco mais a falar sobre a leitura além do que já falei, mas uma coisa me irritou, Sophie foi criada para uma vida de servidão e aceita isso. Apesar de ter tido uma criação muito boa enquanto seu pai era vivo, ao perdê-lo, ela se vê como igual aos criados, se conforma com isso e vive para servir, pensando que jamais poderá ter nada além da vida que ela tem. Ela se vê assim e acaba que Benedict só a vê dessa maneira também, e quando ele se apaixona por uma criada, a única alternativa que ele vê é tomar a moça como amante! Ele não pensa em casar com ela, como se fosse uma regra jamais casar com alguém que não seja uma igual, esse ponto me incomodou, mesmo sabendo que na época da história poderia ser assim e tal....Essa falta de opção (na cabeça dele) me deixou meio frustrada. Não vi o "perfeito cavalheiro" do título nesse momento.

Tirando isso, como todos os livros da autora, eu amei!

A escrita dela é maravilhosa, as cenas mais picantes e as mais divertidas estão na medida certa!
Da diagramação não há o que falar, não há erros de revisão e a capa é tão linda quanto as anteriores!

É uma leitura recomendadíssima se você gosta de romance, uma pitada de humor e outra de conto de fadas!!!! Porque é claro, no final, tudo acaba se resolvendo perfeitamente e então, O Perfeito Cavalheiro do título, enfim aparece!!!

"- O que está vendo? - indagou.
Sophie tropeçou, mas não tirou os olhos dos dele em nenhum momento.
- Minha alma - sussurrou.- Estou vendo a minha alma."

9 comentários

  1. Oi Denise!
    Infelizmente ainda não tive oportunidade de ler os livros da autora, estou acompanhando resenhas e torcendo pra que surja uma chance em breve de conhecer a escrita que tanto ouça flar bem.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Denise!
    Aqui não vemos a mocinha destemida dos outros livros, ao contrário, Sophie é submissa e aceita sua condição, levando Benedict a pensar de forma não tão cavalheiresca...uma pena!
    Não costumo fazer metas de leitura, porém esse ano me propus a ler essa série de qualquer jeito, porque a cada nova resenha, fico mais curiosa por conhecer seus protagonistas e acompanhar as histórias de amor e conquista que os envolvem.
    Bom final de semana!
    “.Aquilo que eu não sei é a minha melhor parte! “ (Clarice Lispector)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  3. Eu queroo muuuito poder ler a série completa dos “Os Bridgertons”, de todos os livros da série, ainda não havia lido a resenha de “Um perfeito cavalheiro”, e posso dizer que já quero. Primeiramente, por começar com essa releitura de “Cinderela”, e claro, por ser um livro da Julia. Toda essa história parece fluir de uma maneira única e delicada, com certeza eu não pararia de lê-lo até chegar à última página.

    ResponderExcluir
  4. Sou fã do trabalho da Julia,mas vou confessar a você que sua resenha me deixou meio com a pulga atrás da orelha.
    Julia sempre escreveu e desenhou mulheres fortes, corajosas e que viviam à frente do seu tempo, não havia visto nada até o momento, onde ela apresentasse uma protagonista submissa e que aceitava tudo assim, tão calada.
    Tá, a época era outra, os costumes eram outros...mas...
    Se tiver oportunidade, ainda assim, quero muito ler.
    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Ler Julia é maravilhoso! A autora sempre consegue trazer romances que parecem novidade, mesmo que muitas vezes, a gente já tenha visto ou lido algo semelhante por aí!
    Ainda não li nenhum dos livros desta série,mas em breve farei isso. Ruim foi só ver que a autora trouxe a mulher nesta forma submissa, tá, como era no passado(graças a Deus isso só tem mudado)
    Mas mesmo assim, ainda incomoda um pouco ler desta forma!
    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Eu adorei a evolução da protagonista nesse livro apesar de não ter sido tão grande os livros da Julia Quinn Realmente são bons mas às vezes as mocinhas são submissas demais e isso me irrita

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Eu quero muito ler os livros de Julia Quinn, estou desejando muito. Com certeza de primeira me veio a historia de Cinderela na cabeça quando li a resenha. Estou muito que apaixonada por essa historia quero poder ler logo.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  8. Oi, Denise
    Cada resenha que você trás sobre essa série fico cada vez mais apaixonada. Ainda não li livros de Julia Quinn, estou ansiosa para mais resenhas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Sou fã de Julia Quinn, os romances de época dela são perfeitos. Ainda não li a série Os Bridgertons, por falta de tempo, mas a vontade é grande. As resenhas dessa série são maravilhosas.

    ResponderExcluir