Aniquilação - Jeff Vandermeer

23 de março de 2018

Título: Aniquilação - Trilogia Comando Sul #1
Autor: Jeff Vandermeer
Páginas: 200
Ano: 2014
Editora: Intrínseca
Gênero: Ficção científica, terror
Adicione: Skoob
Nota: 
Sinopse: O livro que deu origem ao filme da Netflix.

A Área X está isolada do restante do mundo há décadas, e a natureza tomou para si os últimos vestígios da presença humana. Uma primeira expedição de reconhecimento voltou de lá relatando uma terra intocada, um paraíso edênico; a segunda terminou em suicídio em massa; a terceira, em um tiroteio dentro do próprio grupo. Até que os membros da décima primeira expedição retornaram como meras sombras do que eram antes e, após algumas semanas, morreram de câncer. Em Aniquilação, primeiro volume da trilogia Comando Sul, o leitor se junta à décima segunda expedição.

O novo grupo é formado por quatro mulheres: uma antropóloga, uma topógrafa, uma psicóloga — líder da missão — e uma bióloga, a narradora do livro.

Seus objetivos são mapear o terreno, identificar todas as mudanças ambientais, monitorar as relações entre elas próprias e, acima de tudo, não se contaminarem.

As mulheres atravessam a fronteira esperando o inesperado... e é exatamente isso o que encontram.

Mas o que de fato vai definir os rumos da expedição não é o que está lá, e sim o que elas trazem consigo desde o outro lado da fronteira e os segredos que guardam umas das outras.


"Éramos quatro ao todo: uma bióloga, uma antropóloga, uma topógrafa e uma psicóloga."
Resenha: Esse é o primeiro livro, da trilogia Comando Sul, onde uma área que deram o nome de Área X está crescendo exponencialmente e todo o Comando Sul não faz ideia do que há dentro dessa área, mesmo sendo descrita como transparente, porém de perto com cores indescritíveis, não tem a possibilidade de ver o que tem nessa área. Muitas expedições foram feitas ao longo dos 30 anos que ela existe. Ela foi isolada com a desculpa de que houve um vazamento de produtos químicos. Ao todo foram 37 expedições e quase nada foi identificado lá. As pessoas que voltaram, ou morreram de câncer ou não sabem dizer o que ocorreu por lá nem o que lembra, simplesmente deletaram tudo da mente. Todas as pessoas que voltam sempre fazem refrencia a duas coisas: o farol e a torre e/ou túnel, mesmo tendo outros lugares lá.

   Sobre a narrativa...
 
A narrativa é em primeira pessoa, pela bióloga e vemos e sentimos tudo que ela vê e nos conta. Ela é a quarta pessoa que foi, sendo que deveria ter sido a linguísta, porém na última hora, desistiu. Ela nos narra não só tudo que vê, faz ou sente, mas também em cada capítulo conhecemos um pouco mais do passado dela com o marido que era da décima primeira expedição e da infância dela. A história gira em torno desse contexto, bióloga  - área X, bióloga - marido que esteve na área X, bióloga - marido antes da área X, bióloga - marido depois da Área X, bióloga - psicóloga na área X, enfim ela narra tudo do seu ponto de vista e não sei se podemos confiar em uma única narrativa, pois chega uma hora que ela mesma diz que não contou tudo e que não devemos confiar nela. Será!?

   Personagens...

Conhecemos a bióloga, que além de ser a narradora e ter tido um marido que participou de uma das expedições, é fracassada profissionalmente, pois sempre se sabotou em suas pesquisas de campo e não parou nos vários empregos que teve.

A segunda é a psicóloga, que é a diretora do Comando Sul, foi por vontade própria e é  quem comanda a expedição, faz hipnose nas outras personagens, sabe mais do que fala e fará algo que nem ela mesma imagina.

A terceira é a topógrafa que pensa demais, descontrolada, faz tudo que mandam e acha que está fazendo o certo, mas às vezes o certo não é o certo, pode ser para você, entretanto cada um tem um ponto de vista.

A quarta e última é a antropóloga, quieta demais, guarda tudo para seus pensamentos, junto com a psicóloga presenciará algo...

Ao meu ver, e conhecimento de leitora que leu alguns livros de ficção científica esse tem algo mais que não sei descrever bem. Tem algo psicológico que mexe com a cabeça de cada uma delas, principalmente da bióloga e da psicóloga.

"Nada que esteja vivo e respire é capaz de objetividade total."

O que tem na área X é difícil de explicar. Não é um ET como vemos ou pensamos em filme. Lá vai uma parte da descrição da bióloga...

"...encontrar o Rastejador pela primeira vez foi uma experiência semelhante àquela, só que mil vezes mais poderosa. Se em cima daquelas rochas, tantos anos atrás, não consegui distinguir entre o oceano e a praia, ali não distinguia entre as escadas e o teto, e mesmo quando cambaleei e me firmei apoiando um braço na parece, a superfície pareceu ceder ao meu toque, e tive que fazer um esforço para não cair através dela."
"Era uma imagem por trás de uma série de lâminas de vidro refrator. Eram várias camadas em forma de arcada. Era um imenso monstro em forma de lesma orbitado por criaturas ainda mais bizarras. Era uma estrela cintilante. Meus olhos ficavam a todo instante desviando dele, como se um nervo óptico não fosse suficiente."

E também há algo que nenhuma viu, pois só aparece a noite e que faz um som de humano e de animal.

"...ouvíamos era aquele gemido baixo. O efeito que ele produzia não pode ser entendido por quem não esteve ali. A beleza de tudo também não, e, quando passamos a ver beleza na desolação, algo muda dentro de nós. A desolação tenta nos colonizar."

   É frase é de se aterrorizar.

"Não éramos nem o que tínhamos sido antes, nem aquilo que nos tornaríamos ao chegar ao nosso destino."

Portanto, é um livro muito bem escrito e desenvolvido que vale a pena ser lido e, entrar nessa área X junto com as quatro mulheres da expedição 12. Ler e imaginar tudo que nos contam. Tenha a mente aberta para entender as abstrações, a subjetividade.

5 comentários

  1. Parece que o livro é melhor que o filme, sem sombra de dúvidas!rs
    Pois vi o filme esta semana e me arrependi amargamente. E olha que li e vi muita coisa positiva, mas o filme não me ganhou não!
    Mas no livro a gente sempre tem este fator importante ao nosso favor:Imaginação! E pelo que li acima, mexer com a imaginação é o ponto forte da leitura!
    Se tiver oportunidade, quero poder ler a obra e quem sabe, mudar até meu conceito sobre o filme.rs
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Oii Raquel!
    Eu li sobre a história e me interessei bastante ainda mais por ser um gênero que curto, como não vou conseguir ler o livro por agora vou direto ver o filme esse fds, espero curtir.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito em saber que a Netflix fez um filme do livro,confesso que ainda não assisti. Enquanto a resenha,gostei da forma da sua crítica com relação à Aniquilação,já havia lido outra resenha sobre o livro em outro blog que acabou não me interessando,a resenhista aprovou o primeiro livro,mas disse que os outros dois deixaram a desejar....Será?
    Enfim,Aniquilação toca em alguns pontos que eu adoro: o psicológico dos personagens,sabe aquela sensação de que talvez o narrador não seja confiável e que a qualquer momento tudo pode mudar na narrativa?Pois é,isso que senti com sua descrição do ponto de vista da bióloga.E tenho que confessar que eu adoro esse tipo de trama.
    Além disso,o livro parece ter uma trama de suspense,mistério e ficção-científica,que também super amo!
    Então posso dizer que sim,sua resenha me deixou com uma Imensa vontade de desvendar o que a Área X e essas quatros mulheres da expedição 12 escondem.
    Concordo quanto em dizer que o livro aguça a imaginação,porque de certa forma ele te apresenta detalhes de um lugar pouco explorado e que há três décadas continua sendo uma icógnita para todos.E por falar em icógnita:
    Como assim todas pessoas que voltaram,apenas citaram o farol e o túnel/torre?

    ResponderExcluir
  4. Eu me lembro de quando teve uma turnê intrínseca que eles falaram a respeito desse livro mas eu não tinha ficado muito interessada a princípio porque não tinha me interessado nessa capa e acabei deixando leitura de lado mas eu fiquei bem interessada em conferir adaptação que teve na Netflix então eu vou ler o livro antes para depois de assistir o filme e eu acho que Editora deveria investir em uma nova capa para essa série

    ResponderExcluir
  5. Lendo a sua resenha até que fiquei intrigada com a história dessa trilogia, que confesso que nunca tinha parado de fato para saber mais sobre ela, pois suas capas não me chamam a atenção. Livros desse gênero não me atraem muito pois acho a narrativa um pouco cansativa, mas pretendo assistir ao filme.

    ResponderExcluir